Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




como se fosse preciso

análise de Rodrigo Saraiva, em 28.09.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:29


Vila Real :: PS :: de pernas para o ar

análise de Rodrigo Saraiva, em 27.09.13

Nestas autárquicas já fizemos 4 paragens em Vila Real. Hoje, antes que a CNE nos multe, voltamos a esta capital de distrito onde, dizem as sondagens, o resultado será disputado mesmo em cima da linha da meta. E deve ser esta a razão para que uma das candidaturas tenha decidido arriscar. E neste caso o risco e arrojo vem de quem tenta conquistar em oposição.

O PS, cujo primeiro cartaz aqui analisámos, decidiu implementar na prática o conceito “dar a volta”.

 

Se por um lado aplaudimos o arrojo de ser apresentado algo que foge às conveniências e manuais de campanhas políticas, numa solução gráfica e cromática que chama a atenção, ficamos em mixed feelings com o risco de se “jogar” com o próprio material, com a própria imagem. Ninguém gosta de se ver pendurado de pernas para o ar.

Veremos o que dizem este domingo os eleitores.

 

Post scriptum: já que estou a falar de Vila Real aconselho a visita ao post anterior, sobre o cartaz do Bloco nesta cidade, e a verem os comentários. Gostamos de saber que somos lidos nas várias geografias deste país que amamos e gostamos ainda mais quando as partes directamente interessadas nos visitam e comentam com humor e capacidade de encaixe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:47


Anadia :: PSD, Independentes, CDS, PS

análise de Telmo Carrapa, em 27.09.13

A capital do espumante (tinto…)

Já escrevi aqui sobre Anadia. Na altura apenas para falar do cartaz do PS, o único que nos então havia chegado. E já falei sobre o surgimento de uma lista independente que poderia dividir os votos do eleitorado do PSD, num concelho que tem sido um bastião deste partido (segundo informação recolhida desde 1976 que o PSD ganha as eleições autárquicas).

No entanto este é mais um daqueles concelhos com independentes ex-partidários. Então é assim: Litério Marques é presidente da Câmara e não pode recandidatar-se por limite de mandatos. Pelas informações que nos enviaram, já em 2009 os social-democratas haviam decidido que o candidato laranja seria o líder da concelhia, José Manuel Ribeiro, mas o principio da recandidatura natural dos presidentes de Câmara mandaram que Litério se recandidatasse.

Este ano José Manuel Ribeiro foi mesmo o escolhido. O que faz o ainda presidente? Decide criar o MIAP - Movimento Independente Anadia Primeiro. Depois de um secretismo inicial lá anunciou que Teresa Cardoso, a (até agora) vice-presidente de Litério, seria a candidata do ML (Movimento de Litério), perdão do MIAP. Mas como o, ainda, presidente, adora estas contendas políticas, eis que se apresenta como candidato à presidência da Câm…, perdão, da Assembleia Municipal (não sei onde ando com a cabeça…).

A divisão Social-democrata será a oportunidade para uma conquista há muito tentada pelo PS? A ver vamos. Por enquanto aqui ficam os cartazes por lá afixados (os que nos chegaram, pelo menos).

E começamos pelo cartaz da actual força detentora da CMA. Foto simpática, sorriso tímido mas aparentemente sincero, grafismo simples mas dinâmico (não, não vou falar das “ondas”, neste caso disfarçadas, já falei tanto das “ondas” que começo a ficar com enjoos) – não entendo aquele azul mas também não desgosto, identificação do candidato e um slogan. Este, que por norma não acharia nada de especial, se o entender como resposta aos “independentes”, então acho que foi muito bem conseguido. Se “o nosso partido é Anadia”, então “Anadia somos todos”. Simples mas eficaz.

Fundo cromático remetente para o partido (o que nem sempre se viu nestas eleições), um slogan que não diz nada (pelo menos isoladamente) – “juntos conseguimos”. Conseguimos o quê? Ganhar?... Hum… (Eu também gramo do velhinho de barbas brancas que aparece no Natal mas daí a acreditar que ele existe vai um passo muito grande…) E chegamos às fotos. “Tire o casaco para dar um ar mais jovem e dinâmico mas deixe ficar a gravata para transmitir seriedade” (estou mesmo a ver o fotógrafo a dizer – tratando por você que estamos no CDS e a coisa é a sério). O problema é que ficou nem carne, nem peixe. O que ajudado pela foto sem casaco nem gravata do candidato à Assembleia, piora todo o conjunto. Má escolha.

Sobre este já escrevi. Por isso aqui vai: “Nem uma palavrinha para a terra? É inovador (ou talvez não) mas parece-me excessivamente egocêntrico (nome e cara em GRANDE destaque) e pouco simpático para os munícipes. Em termos gráficos é um cartaz simples, a branco, onde o destaque se dá ao slogan e à foto. Eu não sou contra as “cabeças cortadas”. Mas neste caso, tendo em conta o que escrevi acima, parece-me que é uma manifestação do exercício de ego. “As pessoas contam…”? Pelos vistos sim. Umas mais que as outras e, de certeza, mais que o concelho…”. E mais não acrescento pois não me apetece escrever sobre as reticências no slogan que daria pano para mangas.

Tenho pena que o Movimento Independente não se chame “Movimento Independente Anadia Urgente”. Dava a sigla MIAU que era bem mais gira que a MIAP. Mas é um grande cartaz (8x3…). Anadia afirma-se como “a capital do espumante”. Mas deve ser espumante tinto, a julgar pela cor. É que se fosse a capital do tinto, estava perfeito. Senhores designers, gráficos ou apenas candidatos criativos, sabiam que há quem associe o roxo a cor fúnebre? Não? Temos pena, há mesmo.

Depois um slogan em grande: “O nosso partido é Anadia” (mas até ontem não era, pois não?...). Ainda bem que descobriram agora. Fico feliz por vocês. Mas vocês quem? É que fico a saber que existe um Movimento mas se não pesquisasse não saberia quem o compõe. O que vale é que a malta tem net e dá para ir aos endereços referidos no cartaz. São conhecidos porque estão na presidência da câmara? E porque não mostrar quem são? Ah… É aquela questão dos custos e mais não sei o quê… Pois. Eu não votava num Movimento tinto que não tem quem se apresente. São manias…

 

Resumindo: O PSD irá perder este concelho? Só dia 29 se saberá. Mas a julgar pelos materiais de rua, teria a minhas dúvidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45


Coimbra:: PS, CDS, Coligação PSD/PPM/MPT

análise de Virginia Coutinho, em 27.09.13

Os resultados das eleições autárquicas neste concelho estão longe de ser constantes ou previsíveis, ora dando vitória ao PS, ora ao PSD (ou alguma coligação do mesmo). Em 1976 o PS foi o vencedor mas, em 1979, a vitória foi da Aliança Democrática. Em 1982, o PS recupera a câmara mas, em 1985, o PSD retira-a. Em 1989 a história repete-se e o PS sai vencedor, mas conseguindo assegurar a câmara até 2001, ano em que a coligação PSD/PPM/ CDS –PP vence as autárquicas, até aos dias de hoje.

Barbosa de Melo, actual presidente, é candidato pela coligação "Por Coimbra" (PSD/PPM/MPT). Luís Providência é o candidato do CDS, o regressado Manuel Machado é o candidato escolhido pelo PS depois de em 2001 ter sido destronado da presidência, Francisco Queirós avança pela CDU. Para além desses candidatos, Francisco Guerreiro concorre pelo PAN, Rui Lourenço da Cruz pelo PCTP/MRPP e José Ferreira da Silva, independente mas com muito apoio do Bloco de Esquerda.

 

Comecemos pela análise das imagens de campanha do candidato do CDS, Luís Providência:

A cor usada foi o azul, com o skyline da cidade. Já aqui tinha mencionado a falta de originalidade dos candidatos e, na verdade, fundo azul com skyline da cidade, é algo que encontramos em várias campanhas, como a do CDS de Viseu, PSD do Porto, e PSD de Almada.

O candidato surge com um ar (e roupa) formal e o seu nome está em destaque no Outdoor. A isso junta-se o slogan da campanha, pouco diferenciador, “Viva Coimbra”.

 

Passemos para a análise das imagens de campanha de Barbosa Melo, candidato pelo PSD e actual presidente:

Quando vemos o outdoor pela primeira vez há algo que “nos salta à vista”, a barra de cores. Honestamente não entendo o propósito  e a mim faz-me lembrar o "centrum" (vitaminas). Já o Carlos Furtado tinha analisado uma campanha com uma barra semelhante e feito a associação (aqui).

O candidato surge com roupa formal mas com um sorriso. Para além disso, é acompanhado por uma mancha de luz que o faz parecer um iluminado.

O slogan, numa interessante opção de lettering, está longe de ser diferenciador: “Juntos por Coimbra” . Penso que “Juntos por ...“ será um dos slogan mais banais destas autárquicas.

De realçar a menção das redes sociais e no cimo do cartaz o link para o website da campanha, que poderá causar alguma confusão, uma vez que aparecem com maiúsculas e com espaçamento.

 

Por fim a análise da campanha do candidato do PS, Manuel Machado:

Outdoor muito simples, apenas com o nome do candidato, slogan da campanha “Valorizar Coimbra” e a referência ao partido. Penso que seja demasiado desprovido de mensagem...

Como não poderia deixar de ser o skyline da cidade, mas numa campanha que aposta no verde.

 

Pela importância  e dimensão de Coimbra esperava-se melhor de todos os candidatos.

E para memória, uma foto onde se vê imagens destas 3 candidaturas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:45


Sernancelhe:: PS, PSD

análise de Virginia Coutinho, em 26.09.13

Sernancelhe, a terra da castanha, tem “tradição de direita”.

 

Desde 1989, o PSD tem sido o partido vencedor das autárquicas. Antes a presidência foi do CDS, 3 vezes sozinho pois, em 1979, os partidos concorreram coligados sob a bandeira da AD.

José Cardoso, actual presidente pelo PSD, atinge o limite de mandatos e será substituído pelo seu colega Carlos Silva, nesta corrida à Câmara.

O PS tem como candidato Vítor Figueiredo, o CDS, Nuno Franquelim e o CDU, Eduardo Boloto.

 

Em análise estarão as imagens de campanha do PS e PSD. Comecemos pelo PS.

O outdoor é muito simples (talvez até demasiado) e desprovido de mensagem. Uma das primeiras dúvidas que assola quem o vê é "quem é o candidato"?!

No cartaz temos apenas as fotografias dos candidatos, a assinatura da campanha, “Sernancelhe, coragem!” (que talvez apele à coragem de mudança), a referência ao partido e aos social media utilizados na campanha.

As fotografias estão longe de ser boas (sem dúvida uma má montagem). A cor escolhida foi o verde, da esperança.

 

De realçar a menção do Tumblr e a indicação que estão no Facebook. Não deixa de ser curioso que tenham optado por usar o Tumblr (uma plataforma de blogging associada a jovens) em vez do website (quando visitamos a página entendemos que essa é a intenção).

Embora os social media no qual apostam (Tumblr e Facebook) estejam a ser usados para comunicar apenas informações da campanha e tenham algumas imagens de pouca qualidade (pixelizadas, por exemplo), são visualmente mais agradáveis do que os materiais que estão na rua...

 

Passemos à análise das imagens de campanha do PSD:

Pessoalmente não gosto do outdoor.

 

O candidato surge no lado esquerdo, vestido de forma formal (e com a gravata torta) e no lado direito temos o que parecem ser dois “guarda-costas”.  O candidato está num nível superior, o que se nota tanto pela altura a que está, como pela diferença da indumentária. Não gosto.

Para além disso o outline nas letras e a sombra em “Sernancelhe” não resultam bem.

 

Por fim, não aprecio o coração laranja, com aspecto de pintado, que pretende realçar o slogan da campanha “Por amor à nossa terra”.

 

De forma geral o outdoor está simples, com pouca informação (tal como o do PS) mas com execução gráfica fraca.

Também este candidato tem página de Facebook ,e para além disso um website, mas não os refere nos materiais.

 

"Satisfaz menos" para ambos os candidatos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50

Pág. 1/10



Imagens de campanha

Compilação e análise de imagens das Campanhas Portuguesas (e não só). Cartazes, folhetos e materiais digitais (e outros). O melhor e o pior. Os verdadeiros e não só.

e em 2009 foi assim


Envio de contributos

imagensdecampanha@sapo.pt






Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Visitas


subscrever feeds